• Governo de Goiás lança Campanha de Multivacinação nesta segunda-feira (8/8)

    Publicado em 6.08.2022 às 08:38

    O governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), e em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia, abre oficialmente nesta segunda-feira (8/8), às 8h, a Campanha de Multivacinação, no Centro de Saúde da Família do Bairro São Carlos. O objetivo da iniciativa é alertar a população sobre a importância e os benefícios da vacinação em crianças e adolescentes menores de 15 anos. As vacinas, ofertadas gratuitamente nas unidades de saúde de todos os municípios do Estado, protegem contra doenças imunopreveníveis como sarampo, tétano, tuberculose, coqueluche, difteria, meningites e hepatites, dentre outras.

    A meta da ação é atualizar o cartão vacinal, uma vez que dados da SES mostram que nos últimos anos as coberturas vacinais de todas as vacinas estão bem abaixo de 95%, meta preconizada pelo Ministério da Saúde (MS) para garantir a proteção coletiva de toda a população infantil. Em média, neste ano no Estado a cobertura vacinal está pouco acima dos 50%. 

    O governo de Goiás prepara também uma campanha publicitária de cunho educativo para alertar os pais e responsáveis sobre a importância da imunização. A campanha, que está sendo preparada para a semana do Dia D (20/8), tem o mote “Xô Dodói” e visa divulgar que é possível prevenir várias doenças graves e manter as crianças protegidas.

    Vacinas seguras e eficazes
    Todas as vacinas incluídas no Calendário Nacional de Vacinação da Criança e do Adolescente, foram estudadas, avaliadas e validadas há mais de 30 anos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). São extremamente seguras e com efeito de debelar o risco de adoecimento de crianças e adolescentes. 

    Autoridades sanitárias reiteram que vacinas salvam vidas e que a vacinação é uma das intervenções de saúde pública consideradas mais eficazes. Pesquisas desenvolvidas pelo MS revelam que o uso de vacinas e o avanço nas coberturas vacinais ao longo das últimas décadas levaram à diminuição da incidência das doenças imunopreviníveis. 

    O Brasil chegou a receber o Certificado de Erradicação da Paralisia Infantil em 1994 e o Certificado de País Livre do Sarampo, em 2016, ambos concedidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Mas o desconhecimento da gravidade das doenças imunopreviníveis pela população mais jovem, porque não teve contato com pessoas que sofreram essas enfermidades, contribuiu para a queda acentuada dos índices de coberturas vacinais nos últimos anos em todo o País, inclusive no Estado de Goiás. 

    Sarampo e Difteria
    Dois anos depois da concessão do Certificado de País Livre do Sarampo, com a reintrodução do vírus dessa doença no Brasil e a circulação da mesma cadeia de transmissão por mais de 12 meses consecutivos, o País perdeu essa certificação. 

    Em 2019 foram registrados 5 casos de sarampo em Goiás, o que restabeleceu uma cadeia de transmissão da doença após 20 anos sem circulação do vírus. Esse surto se estendeu de agosto de 2019 a março de 2020, quando foram registrados 20 casos da doença nos municípios de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Anápolis, Posse e Rialma. Em 2021 e 2022, todos os casos suspeitos de sarampo notificados em Goiás foram descartados. 

    A difteria, que havia sido controlada, deixando de ser uma preocupação dos gestores de saúde, voltou a apresentar casos isolados. O último caso da doença havia sido notificado em 1998. Neste ano foi registrado 1 caso da enfermidade em Santa Helena de Goiás. 

    Além de proteger as crianças com a vacinação de todas as doenças imunopreviníveis, os especialistas alertam sobre a manutenção de alguns cuidados, considerados imprescindíveis para manter a saúde em dia. Recomenda-se a adoção de cuidados de higiene e limpeza, lavar as mãos frequentemente com água e sabão, não tocar os olhos, nariz ou boca sem antes lavar as mãos, cobrir a boca e o nariz com um lenço de papel ou manga da blusa quando tossir ou espirrar, e evitar contato próximo ou compartilhar utensílios de mesa ou xícaras com pessoas que apresentam sintomas das enfermidades.