• Alunos que posaram para fotos do Novembro Negro são recebidos na Prefeitura de Trindade onde suas fotos estão em exposição

    Publicado em 25.11.2021 às 17:37

    Como parte das atividades do Novembro Negro, alunos da Escola Municipal Tabelião Augusto Costa, participam de exposição fotográfica onde foram retratados. A exposição foi aberta na escola na quarta-feira e no Centro Administrativo Prefeito Pedro Pereira da Silva até esta sexta-feira (26/11).

    Alguns dos mais de dez estudantes que participaram da mostra estiveram no Centro Administrativo com as coordenadoras da escola, Pollyane Rodrigues e Ilma Maria Bezerra nesta quinta (25/11). O grupo foi recebido pela Primeira-Dama de Trindade, dona Dorinha e pelos secretários municipais de Turismo e Cultura, Warley Lopes, e de Educação, Sérgio Sanches.

    Dona Dorinha falou sobre a importância do trabalho para as crianças e adolescentes retratados. “É um outro patamar de tratamento para a autoestima e valorização desses alunos”, observou. Ela frisou o papel da arte, “que desperta outros sonhos”. Também incentivou o grupo: “Não parem aqui, nesse despertar de consciência para a vida”. Ela, que é mãe do prefeito Marden Júnior, estava acompanhada do senhor Marden Aguiar.

    Warley Lopes apresentou os trabalhos, os alunos e as coordenadoras da escola à Primeira-Dama e pontuou o “olhar diferenciado que a exposição possibilita”.

    Sérgio Sanches, que já foi diretor do colégio, desejou que os alunos e demais envolvidos no projeto “continuem brilhando”.

    A fotógrafa que registrou os modelos, Eliane Leão, também estava entre os visitantes. Ela destacou o aspecto positivo de os alunos encontrarem as portas da Prefeitura abertas para uma homenagem. “Assim como meu trabalho, isso é fator de reafirmação identitária”, argumentou.

    Ela explica que foi sua primeira incursão na representatividade negra e que representou muito “valorizar a diversidade cultural e a beleza de quem não se via dessa forma como vários desses alunos”.

    Pollyane foi quem convidou a fotógrafa para o projeto e é a curadora da exposição. “Este é o mês de reforçar o resgate da nossa identidade para enfrentar o racismo estrutural que é uma realidade”, declarou.

    Entre os alunos fotografados, uma das mais novas era Sara Mel. A garota contou, de forma empoderada, o que achou do resultado da exposição: “Fiquei muito feliz. A gente não tem que mudar nossa cor. Nos mulheres negras também somos lindas com nossos cabelos cacheados”, ensinou a menina.