• Hospital Veterinário vai ter posto vacinação antirrábica permanente

    Publicado em 16.02.2022 às 17:04

    Uma parceria entre Universidade Federal de Goiás (UFG) por meio da Escola de Veterinária e Zootecnia (EVZ), Superintendência de Vigilância em Saúde (Suvisa), vinculada à Secretaria Estadual de Saúde (SES), Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e Centro de Controle de Zoonoses de Goiânia (CCZ) propiciou a implementação de um posto de vacinação antirrábica, permanente durante o ano de 2022, localizado no Hospital Veterinário da EVZ. Os atendimentos são realizados em um consultório exclusivo, com acompanhamento permanente de médicos veterinários residentes pelos Programas de Residência em Área Profissional da Saúde (Praps). 

    Em 2021, mesmo com a pandemia, foram atendidos mais de 700 animais. A meta é proteger 1.400 animais, no ano de 2022, com uma proporção de seis cães vacinados para cada gato vacinado (a população canina é numericamente superior à dos gatos). “Trabalhamos seguindo rigoroso protocolo de biossegurança para garantir a saúde dos pets e de seus tutores. Primamos pelo atendimento ético, cuidadoso, altamente qualificado e em consonância com os preceitos de saúde animal e saúde pública”, diz o professor responsável pelo projeto na EVZ UFG, Álvaro Ferreira Júnior.

    Óbitos humanos

    Em 2020 e 2021 foram notificados dois casos de óbitos humanos causados pela raiva no Brasil. Ambos aconteceram na região Nordeste e foi identificado o vírus rábico transmitido por cachorro-do-mato (canídeo silvestre). Esses dados apontam para a participação dos canídeos silvestres no ciclo da transmissão da raiva para os humanos. Há muitas espécies de canídeos silvestres no bioma Cerrado.

    “Os canídeos silvestres são atores insubstituíveis para a manutenção do meio ambiente saudável. Entretanto, os canídeos se aproximam das propriedades rurais para a obtenção de alimento e podem entrar em luta com cães ou gatos. Essas lutas são necessárias, mas não são suficientes, para a transmissão do vírus rábico. A presença do vírus rábico, circulando nas populações dos canídeos, precisa ser demonstrada. Há ainda inúmeros desafios técnicos, logísticos e financeiros para termos uma resposta plena, sobre a circulação do vírus rábico entre todos os possíveis hospedeiros silvestres”, ressalta Álvaro Ferreira.

    Cães e gatos

    O estado de Goiás está inserido no bioma Cerrado e parte do seu patrimônio ambiental é composto por canídeos silvestres. Em Goiás há mais de 130 mil propriedades rurais, 246 municípios, mais de 2 milhões de cães e mais de 700 mil gatos e é uma referência em ações para a preservação do bioma Cerrado. O serviço veterinário estadual atua orientando os produtores rurais sobre a vacinação antirrábica dos bovinos, por meio da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), órgão responsável pelo controle da sanidade animal e vegetal do Estado, atua de forma consolidada na prevenção da raiva de cães, gatos e humanos. Os casos humanos que são notificados são prontamente atendidos, por meio de protocolos robustos e bem direcionados.

    O professor da EVZ afirma que, ainda no campo de possibilidades, uma infecção acidental em bovinos, cães ou gatos de zona rural, poderia criar uma rota de chegada do vírus rábico aos cães e gatos das cidades próximas. “A raiva é uma doença 100% prevenível com a vacinação do bovino, do cão e do gato, na zona rural e, fundamentalmente, nas cidades”, diz Álvaro Ferreira.

    Para os humanos, a profilaxia pós-exposição é fundamental para a proteção após o agravo. “Por isso, procure o serviço de saúde de sua cidade quando receber um agravo, principalmente se for um animal silvestre. Não podemos descuidar dos casos de exposição acidental humana a bovinos infectados com o vírus da raiva”, conclui.

    Sobre a raiva

    A raiva é uma doença viral que causa encefalite aguda fatal, sua letalidade é de quase 100%. Sessenta mil óbitos humanos acontecem, anualmente, no mundo e 40% deles são crianças. O Brasil registra 500.000 notificações, anualmente, relacionadas a agravos relacionados à raiva. A maioria dessas notificações é causada por cães e em segundo lugar gatos.

    Os agravos são predominantemente superficiais e nos membros inferiores (pernas e pés). Dependendo de uma avaliação realizada pelo profissional da saúde, que atende à notificação, são adotadas as medidas protetoras cabíveis. A depender da avaliação, essas medidas incluem a limpeza com água e sabão do local do agravo, a observação do animal durante 10 dias, a aplicação da vacina antirrábica e/ou a aplicação do soro antirrábico.

    Serviço

    Posto de vacinação da EVZ UFG

    Critérios para vacinação 
    – Ser da espécie canina e felina
    – Idade superior a 3 meses
    – Estar saudável (sem sinais de doenças)
    – Fêmeas gestantes e lactantes deverão aguardar a desmama dos filhotes para serem vacinadas.

    Atendimentos: de segunda-feira à quinta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 16h; às sextas-feiras, das 13h às 16h

    (sem necessidade de agendamento)

    Local: prédio atrás do Hospital Veterinário, EVZ UFG, Câmpus Samambaia – Regional Goiânia

    Endereço: Universidade Federal de Goiânia Rodovia Goiânia, km 8 s/n Câmpus Samambaia, Goiânia – GO, 74001-970

    Fonte: Secom UFG, com informações da EVZ UFG