• Jornal Opção: Progressistas corre risco de não ter chapa para deputado federal 

    Publicado em 20.02.2022 às 12:26

    Nota publicada na coluna Bastidores do Jornal Opção, neste domingo, indica que o PP de Goiás está em crise e pode não ter nem chapa de candidatos a deputado federal. O jornal diz que os integrantes do partido estão descontentes com o presidente da legenda, Alexandre Baldy, que estaria interessado e empenhado somente em viabilizar o projeto de ser candidato ao Senado. Veja a íntegra da nota:

    “O partido Progressistas parece ter um único projeto, o de bancar seu presidente estadual, Alexandre Baldy, para senador. Por causa de um projeto pessoal, a chapa de candidatos a deputado federal está sendo negligenciada, segundo dois membros do partido.

    “Lissauer Vieira ensaiou se filiar ao PP, mas não o fez porque desconfiou que Alexandre Baldy, preocupado unicamente com seu projeto, poderia sair da base política do governador Ronaldo Caiado (Democratas), compondo, por exemplo, com Gustavo Mendanha ou com Marconi Perillo”, afirma um dos membros do pP.

    O deputado federal Professor Alcides Ribeiro tem afirmado que pacificou suas relações com Alexandre Baldy. Porém, um integrante do partido sustenta que não é bem assim. “Professor Alcides ficou no Progressistas, mas continua insatisfeito. O mais provável é que migre para o PL ou para o Podemos”, postula.

    A grande surpresa pode ser a saída do deputado federal Adriano do Baldy. Discreto, o parlamentar não fala sobre o assunto. A amigos e aliados, afirma que ficará no pP. Mas há quem postule que, se Alexandre Baldy migrar para a oposição, em busca de uma candidatura a senador — “levando o partido para uma aventura política” —, o deputado, altamente articulado com os prefeitos de seu “time”, pode se filiar ao União Brasil. “Hoje”, afirma um ex-prefeito do pP, “Adriano do Baldy tem mais força com os prefeitos do partido do que Alexandre Baldy.”

    O ex-prefeito de Vianópolis Issy Quinan vai disputar mandato de deputado estadual, e obteve o apoio de prefeitos e do deputado estadual Tião Caroço. Porém, em litígio com o comando “centralizador” de Alexandre Baldy, poderá trocar de partido. O MDB de Daniel Vilela e o PSD de Vilmar Rocha cobiçam seu passe político de manhã, à tarde e à noite. De madrugada, os dois descansam para continuar a cobiçá-lo no dia seguinte. Se há líderes à caça de seu passe, o ex-prefeito, popularíssimo em sua região — e ampliando seu espaço no Entorno de Brasília, por exemplo, em São João D’Aliança —, nunca recebeu uma ligação telefônica do ex-ministro.”Outro que está profundamente insatisfeito com o comando de Alexandre Baldy é o deputado estadual Rafael Gouveia, representante da Igreja Assembleia de Deus-Ministério Vila Nova. Ele era o presidente do pP em Goiânia, mas teria sido retirado do comando sem nenhum aviso mais respeitoso. Foi substituído primeiro por Joel Santana Braga Filho, irmão de Alexandre Baldy. Hoje, o presidente, “imposto”, é Benitez Calil, pai do deputado Lucas Calil. “No Progressistas, as decisões não são colegiadas. São impostas pelo Alexandre”, afirma um membro do PP.